Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

My own private Lisboa / A minha Lisboa pessoal

Deambulações e divagações por e sobre Lisboa por um alfacinha de gema / Meanderings and ramblings in and about Lisboa by a native Lisboner

My own private Lisboa / A minha Lisboa pessoal

Deambulações e divagações por e sobre Lisboa por um alfacinha de gema / Meanderings and ramblings in and about Lisboa by a native Lisboner

Percurso das ribeiras invisíveis - Festival Pedras'19

ribeiras invisiveis.jpg

Regueirão dos Anjos

O 'Percurso das ribeiras invisíveis' é uma proposta de caminhada pelas antigas ribeiras que ladeiam a colina de Santana, desenvolvida por Álvaro Fonseca e Francisco Pinheiro para o 'Pedras'19 - talvez o nada pode ser alguma coisa' do c.e.m.-centro em movimento que decorreu de 1 a 7 de Julho de 2019.

Contexto:

A colina de Santana é ladeada por dois vales que confluem na zona do actual Rossio/Praça da Figueira. Esses vales foram cavados por ribeiras que aí corriam (a ribeira de Valverde ou Sto. Antão e a de Arroios) mas que foram encanadas e ficaram escondidas algures por debaixo das avenidas da Liberdade e Almirante Reis. Ao percorrer essas artérias apercebemo-nos de que as cotas mais baixas dos dois vales não são de facto ao longo das duas grandes avenidas. Do lado da Liberdade, aquilo que poderia ser o leito da ribeira deveria na verdade seguir ao longo do que são hoje as ruas de Sta. Marta e S. José. No topo da Rua de Sta. Marta descobrimos o chafariz do Largo de Andaluz, um dos mais antigos de Lisboa, hoje seco e sem uso. Ao investigar um pouco, surgiu-nos a centralidade do acesso a água potável na vida da cidade. Do lado da Almirante Reis, o mesmo acontece com o Regueirão dos Anjos, que para além do nome retém uma memória mais visível de leito de rio, com os seus arcos redondos de pedra. Também nesse lado da colina existiu um chafariz (o de Arroios, há muito demolido) e uma bica (a do Regueirão dos Anjos, entaipada). Temos percorrido essas ruas-ribeiras, a ver-escutar-sentir o que, sem água à vista, ali ainda flui e como se relaciona com a ‘tempestade renovadora’ que varre a colina mais acima. Propomos partilhar alguns dos nossos achados, percorrendo connosco aquelas ruas-ribeiras, num trajecto que atravessará a colina de Santana para ligar os dois vales.

Trajecto:

Largo de Andaluz (Chafariz), Rua de Sta Marta, Palácio dos Condes de Redondo (UAL, pátio com poço e fontes), Convento de Sta. Marta/Hospital (claustro com fonte), Rua de S. José (Leitaria A Minhota), Rua do Carrião, Rua do Passadiço, Rua de Sto. António dos Capuchos; Campo dos Mártires da Pátria, Paço da Rainha; Rua das Barracas, Beco do Félix, Rua de Sta Bárbara, Lg. Sta Bárbara/Rua Febo Moniz; Regueirão dos Anjos.

Seguem links para dois posts sobre o percurso, publicados no blog do Pedras'19:

https://pedras19.wordpress.com/2019/07/02/o-que-se-ve-e-o-que-se-conta-e-o-que-se-ouve-do-largo-de-andaluz/

https://pedras19.wordpress.com/2019/05/21/a-minhota-italiana-da-rua-de-s-jose/

03Jul_ribeiras1.jpg

 

03Jul_ribeiras2.jpg

 

Chafariz do Largo de Andaluz

R Sta Marta.jpg

Rua de Santa Marta

03Jul_ribeiras3.jpg

Claustro do Hospital de Sta. Marta

03Jul_ribeiras6.jpg

Rua do Carrião

3Jul_ribeiras_M2.jpg

Beco do Félix

Reg Anjos_05Jun.jpg

3Jul_ribeiras_M1.jpg

 

 

Regueirão dos Anjos

Caminheiros_FP.jpg

Caminheiros (Leitaria A Minhota, Rua de São José)

Fotos: Álvaro Fonseca, Marcin Wlodek, Francisco Pinheiro

Um luxo de cidade / Lisbon deluxe*

Beautique WC Hotel_AlmReis.JPG

 (English text below)

Já há algum tempo que se percebia que Lisboa não estava a conseguir evitar render-se ao apelo da modernização e ‘revitalização’ urbanas por via do turismo e da gentrificação. Porque motivo seria diferente de tantas outras cidades europeias que já seguiram esse caminho? Na minha ingenuidade de alfacinha de gema, achei que Lisboa ia ser diferente porque sempre soube resistir às modas e aos ‘trends’ importados das metrópoles mais cosmopolitas e chiques do mundo ocidental, apesar das cedências novo-ricas que sempre existiram. No seu devir singular de cidade híbrida mas castiça, parecia ter criado um corpo permeável e maleável mas que mantinha um tónus e vibração próprios que não se deixavam moldar pelas tentações da globalização massificadora e uniformizadora. Mas os anos da crise económica deixaram a sua marca e a perspectiva mais recente da retoma do crescimento conduziu a um novo ciclo de euforia empreendedora e mercantilista que usou o turismo e a confiança consumista como tábuas de salvação. E tivemos a multiplicação das lojas de souvenirs, de hostels e de ‘alojamentos locais’, de restaurantes de comida ‘typical’ e da ‘not so typical’, dos tuk-tuk, Sedgeways e Hippotrips, dos guindastes e obras municipais. E depois seguiu-se a profusão dos bares-, restaurantes- e lojas-conceito, a obsessão com os ‘chefs’, as lojas ‘gourmet’ e os espaços ‘lounge’, os condomínios de luxo e os ‘boutique hotels’, os espaços ‘co-work’, ‘fablabs’ e ‘hubs’ criativos, a praga dos toldos pretos com letras brancas, o aburguesamento dos mercados, a higienização clínica de alguns espaços públicos, a substituição da calçada portuguesa e, por fim, a escalada imparável da especulação imobiliária com a consequente expulsão de habitantes dos bairros populares e encerramento de lojas históricas. O resultado começava assim a vislumbrar-se e correspondia cada vez mais fielmente à visão do vereador do urbanismo da CML: no futuro a cidade não terá habitantes mas apenas ‘city users’**. Entre os produtos aberrantes de toda esta voragem de criação-destruidora, destaco a metamorfose do café da Pollux (Rua do Fanqueiros) em mais um conceito gastronómico com chef incluído:

http://observador.pt/2017/07/27/less-na-pollux-a-nova-vida-de-um-dos-terracos-mais-bonitos-de-lisboa/

a ex-futura residência estudantil no Intendente que será afinal um condomínio de luxo:

http://ocorvo.pt/o-predio-do-estado-para-futura-residencia-estudantil-que-sera-um-condominio-de-luxo/

ou uma das mais recentes obras transgénicas da modernaça hotelaria internacional que foi baptizada com o bonito nome de ‘WC Beautique Hotel’ (Av. Almirante Reis)!... O ‘conceito’que vendem é mesmo o de dormir num WC:

https://www.lisbonlux.com/lisbon-hotels/wc-beautique-hotel.html

Mas, segundo a descrição neste artigo, “não será um WC qualquer, pois a decoração é de luxo, com paredes forradas a espelhos e azulejos, e banheiras em vários cantos, incluindo na recepção, onde também há chuveiros por cima do balcão.”

O texto de entrada do ‘site’ da empresa hoteleira que detém o ‘WC Beautique’ (TBH) não engana ninguém - estão lá todas as 'keywords' incontornáveis: 'experience', 'soul', 'sustainable', 'authenticity', 'balance'!...

http://www.thebeautiquehotels.com/the-beautique-hotels-lisboa

Não podia deixar de destacar uma outra pérola da nova escatologia urbana, bem debaixo do nosso nariz ali, no Terreiro do Paço, e que se intitula modestamente ‘The sexiest WC on Earth’. Segundo a nota de imprensa aquando da inauguração, trata-se de “uma experiência sensorial estimulante”. Nada menos do que um novo conceito de casa de banho pública, versão ‘sexy-chique’:

http://www.meiosepublicidade.pt/2012/06/renova-monta-wc-mais-sexy-do-mundo-no-terreiro-do-paco/

E por falar de obscenidades, a obsessão com o luxo passou a fazer parte da promoção exaustiva da cidade para extorquir somas chorudas aos mais endinheirados:

https://www.forbes.com/sites/stephanieorma/2015/10/26/lisbons-most-luxurious-retreats-2/#581fa1fd6d15

https://www.lisbonlux.com/lisbon/luxury-luxo.html

Um dia destes seguia à minha frente um tuk-tuk com um letreiro que dizia ‘Lisbon has no limits’!... Foi um momento de autêntica epifania.

Lisboa deluxe_AvLiberdade.jpg

For some time now it has become ever more apparent that Lisbon is no longer able to resist the appeal of the urban modernization and ‘revitalization’ trends linked to tourism and gentrification. After all, why should it differ from so many other European cities that had already followed this path? In my naiveté of native Lisboner, I thought Lisbon would not follow suit because it had always been able not to give in to the fashions and trends imported from the more cosmopolitan and chic metropolises of the Western world, despite the sporadic nouveau-riche indulgencies that had taken place. In its own way of becoming a hybrid city but faithful to its genuine traditions, Lisbon seemed to have created a permeable and malleable body that retained enough vigour of its own to not surrender to the temptations of standardizing globalization. But the recent economic crisis has left its mark and the latest prospects of the return to economic growth has led to a new cycle of entrepreneurial and commodifying euphoria that has used tourism and consumerism as safekeeping. What ensued was a proliferation of souvenir shops, hostels and local accommodations, 'typical Portuguese' restaurants and 'not so typical' ones, tuktuk, Sedgeways and Hippotrips, cranes and municipal works. Then followed the explosion of theme bars, restaurants and concept stores, a growing obsession with chefs, gourmet stores and lounge areas, luxury condos and boutique hotels, cowork spaces, fablabs and creative hubs, the black awnings with white lettering, the gentrification of the local market places, the clean-cut and slick public spaces, the removal of some cobblestone sidewalks and, finally, the unstoppable escalation of real estate speculation which has resulted in the eviction of locals from the popular neighborhoods and the closing down of historical shops. The outcome became patently clear and corresponded very closely to the vision acknowledged publicly by Lisbon’s urban planning councillor: in the future native Lisboners will be replaced by 'city users'... Among the obnoxious products of this creative-destruction turmoil, I single out the transmutation of the Pollux department store coffee shop (Rua dos Fanqueiros) into a gastronomic concept cafeteria, with its own chef:

http://observador.pt/2017/07/27/less-na-pollux-a-nova-vida-de-umdo-dos-terracos-mais-bonitos-de-lisboa/

the formerly planned student residence at Intendente that is to become a luxury condominium after all:

http://ocorvo.pt/en-predio-do-estate-for-futura-residencia-estudantil-que-sera-um-condominio-de-luxo/

or one of the most recent ‘transgenic’ masterpieces from the international hotel industry that was aptly named 'WC Beautique Hotel' (Av. Almirante Reis)... The associated concept is to actually sleep inside a bathroom:

https://www.lisbonlux.com/lisbon-hotels/wc-beautique-hotel.html

But according to the description in this article, "it’s not just any bathroom, since it features a luxurious décor, with walls lined with mirrors and tiles, and tubs at various spots, including at the reception, where there are showers over the counter."

The opening text of the TBH hotel chain website is cristal clear as to what is on offer - all the fashionable keywords are there: 'experience', 'soul', 'sustainable', 'authenticity', 'balance'!...

http://www.thebeautiquehotels.com/the-beautique-hotels-lisboa

I couldn’t possibly fail to acknowledge another gem of the new urban eschatology, right under our noses, at Terreiro do Paço, modestly named 'The sexiest WC on Earth'. According to the press release when it first opened, it is "a stimulating sensory experience". Nothing less than a ‘sexy-chic’ concept of public bathroom:

http://www.meiosepublicidade.pt/2012/06/renova-monta-wc-mais-sexy-do-mundo-no-terreiro-do-paco/

And in reference to vulgarity, the obsession with luxury has become part of the unrelenting tourist promotion to extort big bucks from the rich:

https://www.forbes.com/sites/stephanieorma/2015/10/26/lisbons-most-luxurious-retreats-2/#581fa1fd6d15

https://www.lisbonlux.com/lisbon/luxury-luxo.html

One of these days a tuk-tuk was riding ahead of me with a sign that read 'Lisbon has no limits'. It was a truly revealing moment!

 

*‘re-postado’ e adaptado de / reposted and adapted from https://pedras17.wordpress.com/2017/10/17/um-luxo-de-cidade/

** Fonte: comentário neste post https://aventar.eu/2016/10/07/lisboa-o-futuro-e-agora/

 

Bairros / Neighbourhoods (2) - Castelo

 

Castelo_b09.jpg

   Rua de Sta. Cruz do Castelo 

   (English text below)

O bairro do Castelo é um dos mais pequenos e mais antigos da cidade. Mantendo a estrutura original desde a época medieval, está em grande parte delimitado pela muralha da velha alcáçova e inclui as antigas freguesias do Castelo e de Santiago. Dele faz parte o Castelo de S. Jorge, reconstruído nos anos 1940 e presentemente de acesso controlado e pago por todos os visitantes não residentes em Lisboa (1), de onde se podem apreciar belíssimas vistas sobre a Baixa e Bairro Alto para Oeste e sobre o rio Tejo a Sul. Apesar de ser muito turístico, o bairro mantém um encanto especial conferido pelas suas ruas estreitas e casas de traça medieval, cuja pacatez pode ser ainda apreciada nas zonas fora do percurso que leva até à entrada do castelo (p.ex. no Largo de Sta. Cruz do Castelo, na Rua do Recolhimento, no Pátio D. Fradique ou na Rua dos Cegos). Dentro da antiga alcáçova (cujo único acesso se faz pela Rua do Chão da Feira) recomendo um passeio pelas ruas de Sta. Cruz do Castelo, Flores de Santa Cruz, Espírito Santo e Recolhimento, e uma visita ao Miradouro do Recolhimento (2), recentemente aberto ao público (e por isso ainda pouco concorrido) e de onde se pode desfrutar de magnífica vista sobre Alfama. Fora da alcáçova, vale a pena fazer uma volta pelos arruamentos que delimitam o bairro: a Costa do Castelo, Rua do Milagre de Sto. António, Largo dos Lóios, Rua de Santiago, Largo das Portas do Sol e Rua de S. Tomé. Este percurso tem troços muito turísticos (em particular na zona sul de acesso ao castelo) mas tem outras normalmente mais pacatas e dá acesso a excelentes perspectivas sobre a cidade: no lado norte da Costa do Castelo para a Mouraria e a Graça, a oeste no terraço do antigo mercado do Chão do Loureiro para a Baixa e Bairro Alto, e nos miradouros de Sta. Luzia e das Portas do Sol com as suas vistas sobre Alfama e o rio. Um projecto recente de colaboração com os seus moradores e associações locais (Moralá Castelo, 3) visa dinamizar este bairro que vive momentos difíceis devidos à progressiva desertificação humana e aos problemas económicos. A Câmara tem promovido a recuperação de habitações e arruamentos desde meados dos anos 1990 mas há ainda zonas muito degradadas, em particular o Pátio D. Fradique, contíguo a um hotel de luxo que ocupa o antigo Palácio Belmonte (4).

Outras informações sobre o bairro:

http://fundoarquitecturasocial.pt

http://www.rtp.pt/arquivo/index.php?article=388&tm=35&visual=4

Notas do texto.

(1) http://castelodesaojorge.pt/

(2) http://www.lisbonlux.com/lisbon/miradouro-do-recolhimento.html

(3) http://fundoarquitecturasocial.pt/index.php/projectos/projecto/

(4) http://lisboahojeeontem.blogspot.pt/2013/09/patio-dom-fradique-e-palacio-belmonte.html

Castelo_b08.jpg

   Rua do Recolhimento 

The Castelo district is one of the smallest and oldest in the city. Preserving the original structure from the Middle Ages, it is largely defined by the wall of the old citadel and comprises the former parishes of Castelo and Santiago. It includes the São Jorge’s castle, renovated in the 1940s and currently with paid access for all non-residents (1), from where you can enjoy beautiful views over the Baixa and Bairro Alto to the west and towards the Tagus river to the south. Although a very touristy spot, the neighbourhood retains a special charm conveyed by its narrow streets and medieval houses, where tranquillity can still be enjoyed in areas outside the path that leads to the castle entrance (e.g. in Largo de Santa Cruz do Castelo, Rua do Recolhimento, Pátio D. Fradique and Rua dos Cegos). Inside the former citadel (whose only access is by Rua do Chão da Feira) I recommend a walk through the streets of Santa Cruz do Castelo, Flores de Santa Cruz, Espírito Santo e Recolhimento, and a visit to the Recolhimento viewpoint (2), recently opened to the public (and therefore still little crowded) for a magnificent view of Alfama. Outside the citadel, I suggest a round tour along the streets that border the neighbourhood: Costa do Castelo, Rua do Milagre de Santo António, Largo dos Lóios, Rua de Santiago, Largo das Portas do Sol and Rua de São Tomé. This route has some very touristy sections (in particular in its southern stretch that leads to the castle) but has other quieter sections from which the visitor can enjoy excellent views over different parts of the city: on the north side of Costa do Castelo towards Mouraria and Graça, at the terrace of the former Chão do Loureiro marketplace (accessible also by Costa do Castelo) towards Baixa and Bairro Alto, and at the viewpoints of Santa Luzia and Portas do Sol with their great vistas towards Alfama and the river. A recent collaborative project with the inhabitants and local associations (Moralá Castelo, 3) aims to boost this neighbourhood, which is going through a rough period due to gradual depopulation and economic hardship. The township has promoted the recovery of homes and streets since the mid-1990s but some much degraded areas still remain, particularly the Pátio Dom Fradique, adjoining a luxury hotel that occupies the former Palácio Belmonte (4).

Additional info about Castelo (in Portuguese):

http://fundoarquitecturasocial.pt

http://www.rtp.pt/arquivo/index.php?article=388&tm=35&visual=4

http://www.lisbonlux.com/lisbon/alfama.html (post on the neighbourhoods of Alfama and Castelo; English and Portuguese text)

Text notes:

(1) http://castelodesaojorge.pt/en (EN)

(2) http://www.lisbonlux.com/lisbon/miradouro-do-recolhimento.html (PT/EN)

(3) http://fundoarquitecturasocial.pt/index.php/projectos/projecto/ (PT)

(4) http://lisboahojeeontem.blogspot.pt/2013/09/patio-dom-fradique-e-palacio-belmonte.html (PT)

 

Castelo_b10.jpg

   Miradouro do Recolhimento

Castelo_b01.jpg

   Rua dos Cegos (casa medieval/medieval house) 

Castelo_b04.jpg

    Largo de Sta. Cruz do Castelo

Castelo_b07.jpg

   Rua das Flores de Sta. Cruz 

Castelo_b02.jpg

   Rua de S. Tomé 

Castelo_b11.jpg

   Rua das Flores de Sta. Cruz 

Castelo_b03.jpg

   Rua do Recolhimento 

Castelo_b06.jpg

   Rua das Flores de Sta. Cruz 

 

Castelo_b05.jpg

   Rua de Sta. Cruz do Castelo 

 

Castelo_b12.jpg

   Palácio Belmonte

Detalhes - Azulejos / Details – Ceramic tiles (1)

Campolide_az01.jpg

   Campolide

(English text below)

A azulejaria é uma forma de expressão artística nacional com vários séculos. É possível apreciar muitos e variados exemplos da sua aplicação nos edifícios de Lisboa. Desde as fachadas de várias épocas revestidas a azulejos (geralmente com padrões geométricos), aos motivos decorativos (representando muitas vezes plantas ou animais) e às imagens religiosas, são inúmeras as razões para o deleite dos que apreciam os pormenores que a cidade tem para oferecer. Para os mais interessados existe um museu dedicado ao azulejo no Convento da Madre de Deus (http://www.museudoazulejo.pt/). A procura crescente por turistas e locais tem, no entanto, estimulado o furto e vandalização deste valioso património que muitas vezes é vendido em lojas de ‘souvenirs’ e artesanato, em mercados de rua e até em antiquários:

http://ocorvo.pt/2015/07/17/apesar-de-mais-protegidos-azulejos-de-lisboa-sao-ainda-um-patrimonio-em-risco/

http://www.sosazulejo.com/

Mais informação:

http://www.lisbonlux.com/culture/azulejos.html

http://www.visitar-lisbon.com/pt/museus-e-exposi-es/tiles-lisbon.html

Baixa_az02.jpg

   Baixa

 

Tilework has been a form of artistic expression in Portugal for several centuries. You may enjoy a wide range of examples of the application of ceramic tiles in many buildings throughout Lisbon. From the facades of various eras covered with tiles (usually displaying geometric patterns), to the decorative motifs (often depicting plants or animals) and religious images, there are countless reasons for the delight of those who enjoy the many details the city has to offer. There is a whole museum dedicated to the art of ceramic tiles in the ‘Madre de Deus’ Convent (http://www.museudoazulejo.pt/en-GB/default.aspx). The growing demand by tourists and locals has however encouraged the theft and vandalism of this valuable heritage that is often sold in 'souvenir' stores, street markets and even antique shops: http://www.sosazulejo.com/?page_id=97

Additional information:

http://www.lisbonlux.com/culture/azulejos.html

http://www.visitar-lisbon.com/en/museums-and-exhibitions/tiles-lisbon.html

Av Liberd_az02.jpg

   Avenida da Liberdade

Santos_az03.jpg

   Santos

 

Baixa_az05.jpg

   Baixa

Castelo_az03.jpg 

   Castelo

Mouraria_az02.jpg

   Mouraria

Cais sodre_az02.jpg

   Cais do Sodré

Lapa_az04.jpg

   Lapa

Graça_az01.jpg

   Graça

Bairro Alto_az01.jpg

  Bairro Alto 

Mapa de Lisboa (Oeste) / Lisbon map (West)

lisboa_mapa_oeste.jpg

Mapa da zona oeste da cidade com principais zonas/bairros assinalados. Esta zona é marcada por duas elevações - as colinas onde se encontram os bairros de Campolide, Campo de Ourique e Estrela/Lapa (a Este) e a colina de Monsanto (ponto mais alto da cidade com 227m*, a Oeste) - separadas pelo vale de Alcântara onde corria a ribeira do mesmo nome (https://pt.wikipedia.org/wiki/Ribeira_de_Alc%C3%A2ntara).

http://delisboa.blogspot.pt/2009/03/qual-e-o-sitio-mais-alto-de-lisboa.html

Map of the western part of the city with main areas/neighbourhoods highlighted. The area is shaped by two main elevations - the hills that host the Campolide, Campo de Ourique and Estrela/Lapa neighbourhoods (to the East) and the Monsanto hill (the highest point of the city at 227m, to the West) - separated by the Alcântara valley.

(Fonte da imagem/Image source: http://www.anayatouring.com/wp-content/uploads/2012/05/lisboa_dia.jpg)

 

Mapa de Lisboa (Centro) / Lisbon map (Center)

lisboa_mapa_centro

Mapa da zona central da cidade com principais áreas/bairros assinalados. Grande parte da cidade está espalhada por colinas definidas por antigas ribeiras, como aquelas que corriam onde agora se encontram as Avenidas da Liberdade e Almirante Reis. As principais colinas são*: São Jorge (Castelo/Sé), São Vicente (Alfama), Santo André (Mouraria/Graça), Sant' Ana (Colina de Santana), São Roque (Bairro Alto), Chagas (Chiado) e Santa Catarina. Outros bairros que ocupam colinas são a Lapa, a Estrela e Campo de Ourique (ver Mapa da zona oeste). As únicas zonas planas são a Baixa/Rossio e ao longo das margens do Tejo (Cais do Sodré, Santos, Alcântara e Belém).

https://pt.wikipedia.org/wiki/Sete_Colinas_de_Lisboa

Map of the city center with main areas/neighbourhoods highlighted. Most of those areas are on slopes or hills defined by former riverbeds, such as those that ran along what are now two major avenues: Avenida da Liberdade and Avenida Almirante Reis. The main hills are: São Jorge (Castelo/Sé), São Vicente (Alfama), Santo André (Mouraria/Graça), Sant' Ana (Colina de Santana), São Roque (Bairro Alto), Chagas (Chiado) and Santa Catarina. Lapa, Estrela and Campo de Ourique (see West map) are also on top of additional hills. The only flat parts of the city are Baixa/Rossio and the areas along the Tejo riverside (Cais do Sodré, Santos, Alcântara and Belém).

(Fonte da imagem/Image source: http://www.anayatouring.com/wp-content/uploads/2012/05/lisboa_dia.jpg)

 

Detalhes - Portas / Details – Doors (1)

Graça_p04.jpg

   Graça 

(English text below)

Diz-se que não há duas pessoas iguais. O mesmo se diz também das casas – que não há duas iguais. Por extensão se poderá talvez dizer o mesmo das portas das casas. E em Lisboa há muitas e variadas, das mais rústicas às mais elaboradas. Atraem o meu olhar os modelos mais clássicos, com as portadas em madeira trabalhada, por vezes com armações metálicas mais ou menos ornamentadas e com os seus batentes metálicos mais típicos, como as chamadas ‘Mãos de Fátima’ (1).

(1) http://lugaresdosul.blogspot.pt/2008/04/mos-de-ftima.html

http://aguasdosul.blogspot.pt/2013/07/mao-de-fatima-uma-designacao-abusiva.html

ColinaSantana_p03.jpg

   Colina de Santana 

It is said that no two people are alike. The same is said also of houses - no two are alike. By extension one could perhaps say the same of house doors. And in Lisbon there are many and quite varied, from the rustic to the elaborate. I like especially the classic models, with crafted wooden panes, sometimes with ornamented metal frames and with their typical door knockers, as the so-called 'Hands of Fatima' (not the Catholic one but Muslim – but see the following blog posts, in Portuguese).

http://lugaresdosul.blogspot.pt/2008/04/mos-de-ftima.html

http://aguasdosul.blogspot.pt/2013/07/mao-de-fatima-uma-designacao-abusiva.html

Alfama_p02.jpg

   Alfama

Baixa-Chiado_p01.jpg

   Baixa

Belem_p01.jpg

   Belém

Chiado_p01.jpg

   Chiado

ColinaSantana_p02.jpg

   Colina de Santana

Graça_p03.jpg

   Graça

Lapa_p01.jpg

   Lapa

Mouraria_p02.jpg

   Mouraria

 

 

A natureza na cidade / Nature in the city (1)

Varanda_RuaBoavista_01.jpg

   Rua da Boavista (Cais Sodré/São Paulo) 

   (English text below)

A relação dos humanos com a natureza tem mudado ao longo dos tempos. De um certo equilíbrio e ligação com os elementos naturais durante muitos séculos, situação que ainda perdura nalgumas comunidades indígenas da África, Ásia e América do Sul, passámos a uma atitude de dominação e de controlo que acompanhou a globalização do modelo civilizacional europeu e norte-americano. Essa evolução manifestou-se de forma mais evidente nas zonas urbanas, com um afastamento crescente entre humanos e natureza, e Lisboa não foge à regra. Passeando pela cidade, facilmente constatamos que os elementos naturais, mais notoriamente as plantas, se restringem aos parques e jardins (públicos ou privados), aos arruamentos, às hortas e aos baldios. À excepção destes últimos, trata-se duma natureza domesticada e muitas vezes exótica, dado que muitas das árvores e outras plantas usadas nos arruamentos e jardins não são naturais das nossas paragens (1). Ainda assim encontramos alguns exemplares de árvores mediterrânicas nas ruas e praças de Lisboa, como as oliveiras, os pinheiros, as olaias, os freixos e até algumas azinheiras (p.ex., na Praça de Espanha) e sobreiros (p.ex., junto ao Rossio, frente ao Palácio da Independência). A maior concentração e diversidade de vegetação mediterrânica encontram-se naturalmente na maior zona verde da cidade – o parque florestal de Monsanto. É também aqui que se encontra a maior diversidade de animais (aves, pequenos mamíferos, répteis e insectos), embora se possam avistar várias aves (nativas, como as andorinhas, estorninhos, melros, rabirruivos, etc., e exóticas, como o periquito-de-colar ou a rola-turca) e muitos insectos bem no centro de Lisboa. Por toda a zona central da cidade, mesmo nas zonas menos arborizadas, encontramos referências à natureza em variados elementos decorativos nos edifícios - azulejos, cantarias, armações metálicas de portas e varandas -, na calçada portuguesa e na toponímia - nomes de ruas ou avenidas (2) e até de bairros, como as Amoreiras ou as Olaias. Os motivos naturais na arquitectura foram no entanto desaparecendo durante o século XX e são praticamente inexistentes nos edifícios mais modernos. Curiosamente, um olhar mais atento permite-nos descobrir inúmeras plantas espontâneas que o pisoteio ou as acções de limpeza camarária (por aplicação de herbicidas ou monda manual ou mecânica) não conseguiram eliminar e que despontam por entre as pedras da calçada, nas frechas das paredes e muros, nas ombreiras das janelas ou nos telhados. Entre muitas outras destaco: as avoadinhas (Conyza bonariensis), abundantes nos passeios na primavera e verão; o tapete-inglês (Polygonum capitatum), que se pendura nas fachadas de prédios; as bocas-de-lobo (Antirrhinum sp.), em paredes e muros; as charuteiras (Nicotiana glauca), que brotam de paredes de edifícios ou em logradouros; as beldroegas (Portulaca oleracea) que estendem os seus caules avermelhados e as suas folhas viçosas nos passeios e nas caldeiras das árvores; os inúmeros feixes de parietárias (Parietaria sp.) que despontam de paredes e muros; os pequenos tufos de ruínas (Cymbalaria muralis) com as suas belas e delicadas flores. E é claro que muitos lisboetas também contribuem para tornar a cidade mais verdejante ao decorar janelas, varandas e jardins com variadas plantas ou cuidando de pequenas hortas urbanas.

 

Passeio temático ‘A natureza na cidade’: proponho um passeio a pé de 2,5h na zona da Baixa e Mouraria que explora este tema; o percurso foi desenvolvido em colaboração com Graça Passos e foi praticado durante o Festival Pedras’15 (https://pedras15.wordpress.com/) organizado pelo c.e.m. – centro em movimento.

A CML proporciona um percurso pedestre circular de 14km na zona de Monsanto/Ajuda/Belém dedicado ao tema da biodiversidade. O percurso está sinalizado mas infelizmente alguns dos paineis informativos foram vandalizados ou estão ilegíveis. Para mais informações e para aceder à brochura seguir os links:

http://www.cm-lisboa.pt/viver/ambiente/parque-florestal-de-monsanto/rota-da-biodiversidade

http://passear.com/2011/05/rota-da-biodiversidade-pr1-lsb-descobrir-a-cidade-de-lisboa/

http://kmepalavras.com/2012/06/18/rota-da-biodiversidade/

 

Notas do texto:

(1) É possível descarregar um guia das principais árvores de Lisboa no endereço: www.cienciaviva.pt/img/upload/Guia_arvores_net.pdf

(2) Este post apresenta uma lista das ruas, avenidas e praças de Lisboa com nomes de árvores: https://toponimialisboa.wordpress.com/2014/03/21/arvores/

 

Informação adicional sobre plantas e jardins de Lisboa:

http://amigosdobotanico.blogspot.pt/

http://jardinseparquesdeportugal.blogspot.pt/2010/03/arvores-classificadas-de-interesse.html

http://www.cm-lisboa.pt/viver/ambiente/parques-e-jardins

Em inglês: http://www.visitar-lisbon.com/lisbon/places/gardens.html

http://www.lisbonlux.com/magazine/green-lisbon-10-beautiful-parks-and-gardens/

Grafitti_Intendente_tropical.jpg

   Travessa da Cruz aos Anjos (Intendente) 

 

The relationship between humans and nature has changed over time. From a fairly balanced connection with the elements over many centuries, still present in many indigenous communities in Africa, Asia and South America, we have adopted an attitude of domination and control fostered by the globalisation of the western civilization model. This progressive change, with an ever growing gap between humans and nature, became more apparent in urban areas and Lisbon is no exception. Strolling through the city, one can easily recognize that nature in general and vegetation in particular is restricted to parks and gardens (public or private), sidewalks, vegetable gardens and wastelands. With the exception of the latter, nature is found in a domesticated and often exotic form, as many of the trees, shrubs and flowers planted in streets and gardens are not native to Portugal (1). Still one can find some Mediterranean plants in the streets and squares of Lisbon, such as olive trees, pines, Judas trees, ash trees and even some holm oaks (e.g., at Praça de Espanha) and cork oaks (e.g., near Rossio, right in front of the Palace of Independence). But the greatest concentration and diversity of Mediterranean vegetation is found in the largest green area of the city - the forest park of Monsanto. Naturally it is also there that one can find the greatest diversity of animals (birds, small mammals, reptiles and insects), though one can easily spot in the very heart of Lisbon several birds (native, such as swallows, starlings, blackbirds, black redstarts, etc., or exotic, such as the rose-ringed parakeet or the collared dove) and many insects. Throughout the city we find references to nature in various decorative elements on buildings - tiles, masonry, metal frames of doors and balconies - on sidewalk cobblestone patterns, and in the names of streets or avenues (2) and even the names of entire neighbourhoods, such as Amoreiras (mulberry) or Olaias (Judas tree). However, the use of nature motifs in architecture faded away during the twentieth century and is nearly absent in most modern buildings. Interestingly, a closer look allows us to discover numerous weeds that trampling by pedestrians or the city council cleaning actions (by applying herbicides or by manual or mechanical weeding) failed to eliminate and which emerge through the paving stones or cracks on walls, above window panes and on rooftops. A few examples: the flax-leaved fleabane (Conyza bonariensis), abundant on sidewalks in spring and summer; the pink knotweed (Polygonum capitatum), which hangs on the facades of buildings; snapdragons (Antirrhinum sp.), on facades or walls; the tree tobacco (Nicotiana glauca), which springs from the walls of buildings or in vacant lots; the common purslane (Portulaca oleracea) that spreads its reddish stems and bright green leaves on sidewalks and boilers of trees; the numerous bundles of pellitory-of-the-wall (Parietaria sp.) that come out of walls and facades; the small tufts of ivy-leaved toadflax (Cymbalaria muralis) with its beautiful and delicate flowers. And of course many Lisboners also contribute to making the city greener and lusher by decorating their windows and balconies with flowerpots, by tending their small gardens, or planting urban vegetable gardens.

 

Theme-tour ‘Nature in the city’: I guide a 2,5hr walking tour in Baixa and Mouraria that explores this topic. Please check this post for more information on guided tours.

There is also a 14km-long biodiversity-themed walking trail set up by the Lisbon township in the Monsanto-Ajuda-Belém areas. The trail is marked but some of the information panels are destroyed or unreadable. A brochure (in Portuguese) is available for download at this link.

 

Text notes:

(1) You may retrieve a field guide of the main tree species planted in Lisbon in the following link (in Portuguese): www.cienciaviva.pt/img/upload/Guia_arvores_net.pdf

(2) This post lists the names of streets, avenues or squares in Lisbon based on the names of trees (in Portuguese): https://toponimialisboa.wordpress.com/2014/03/21/arvores/

 

Additional info on plants and gardens of Lisbon:

http://www.visitar-lisbon.com/lisbon/places/gardens.html

http://www.lisbonlux.com/magazine/green-lisbon-10-beautiful-parks-and-gardens/

http://amigosdobotanico.blogspot.pt/ (in Portuguese)

http://jardinseparquesdeportugal.blogspot.pt/2010/03/arvores-classificadas-de-interesse.html (in Portuguese)

http://www.cm-lisboa.pt/viver/ambiente/parques-e-jardins (in Portuguese)

Periquito_campolide_01.jpg

   Periquito-de-colar/Rose-ringed parakeet (Campolide)

Nicotiana glauca_Mouraria_01.jpg

   Charuteira/Tree tobacco (Nicotiana glauca, Mouraria) 

Boca de lobo_Ajuda_Mar_02.jpg

   Boca-de-lobo/Snapdragon (Antirrhinum sp., Ajuda)

Intendente_az01.jpg

   Rua da Palma (Intendente) 

Sobreiro_Rossio_01.jpg

   Sobreiro/Cork oak (Quercus suber, Rossio/Baixa)

 Ruinas_Ajuda_Mar_02.jpg

    Ruínas/Ivy-leaved toadflax (Cymbalaria muralis, Ajuda)

Rua da Vitoria_cp01.jpg

   Rua da Vitória (Baixa)

Olaia_Ajuda_Mar_01.jpg

   Olaia/Judas tree (Cercis siliquastrum, Ajuda)

Rabirruivo_Belem_01.jpg

   Rabirruivo/Black redstart (Belém)

Intendente_ca01.jpg

   Av. Almirantes Reis (Intendente)

Tapete ingles_Mouraria_01.jpg

   Tapete-inglês/Pink knotweed (Polygonum capitatum, Mouraria)

 

Bairros / Neighbourhoods (1) - Graça

 Graça_2014_03.jpg

   (English text below)

A Graça é um dos meus bairros favoritos de Lisboa. Ocupa a colina mais elevada da cidade que tem o seu ponto culminante no deslumbrante miradouro da Senhora do Monte com a sua singela capela e os seus imponentes pinheiros mansos. Contígua aos bairros mais famosos e mais turísticos de Alfama e Castelo, a Graça é mais pacata e mantém um cariz muito próprio ligado à implantação de habitações para trabalhadores e operários em finais do século XIX e inícios do século XX. Disso são testemunhos a vila Maria, a vila Sousa, a vila Berta, o Bairro Estrela d’Ouro e os edifícios da Voz do Operário e da Caixa Económica Operária. Para além da vista soberba da Senhora do Monte, é possível apreciar a colina do Castelo e o casario da Mouraria a partir do miradouro Sophia de Mello Breyner (antigo miradouro da Graça) junto à igreja e convento da Graça. Para aceder ao bairro é sempre necessário subir por artérias mais ou menos íngremes como a Calçada da Graça ou a Rua da Voz do Operário a partir do Castelo, a Calçada do Monte desde a Mouraria ou a Rua Damasceno Monteiro desde os Anjos. O casario é dominado por prédios modestos de diferentes épocas, em que se destacam os edifícios desenhados pelo arquitecto Norte Júnior (sede da Voz do Operário, vivenda Rosalina do Bairro Estrela d’Ouro, Royal Cine), assim como as casas peculiares da vila Berta. Os espaços verdes limitam-se ao pequeno jardim Augusto Gil, a que se veio juntar o recentemente inaugurado jardim da Cerca da Graça, um espaço de lazer mais amplo situado abaixo do convento da Graça e com entradas pela Calçada do Monte ou pelo Caracol da Graça.

Informações adicionais sobre o bairro em:

https://pt-pt.facebook.com/pages/Bairro-da-gra%C3%A7a/527753597234663

 

Graça is one of my favourite neighbourhoods of Lisbon. It spreads over the highest hill in the city topped by the stunning viewpoint of Senhora do Monte with its charming little chapel and large stone pines. Adjacent to the better known and touristy districts of Alfama and Castelo, Graça is more low profile and has a distinct atmosphere linked to the settling of housing for workers in the late 19th and early 20th centuries – e.g. ‘vila Maria’, ‘vila Sousa’, ‘vila Berta’, ‘Bairro Estrela d’Ouro’ and the main buildings of ‘Voz do Operário’ and ‘Caixa Económica Operária’. Besides the superb views from Senhora do Monte, you can enjoy the Castle hill and the rooftops of Mouraria from the viewpoint Sophia de Mello Breyner (formerly known as Graça viewpoint) next to the church and convent of Graça. To reach the neighbourhood one must always walk up steep arteries such as Calçada da Graça or Rua da Voz do Operário from the Castle hill, Calçada do Monte from Mouraria or Rua Damasceno Monteiro from Anjos. The buildings designed by the architect Norte Júnior (headquarters of ‘Voz do Operário’, Rosalina villa within ‘Bairro Estrela d’Ouro’, Royal Cinema) as well as the peculiar houses of ‘vila Berta’, stand out among the modest buildings from different epochs of the 20th century that abound in Graça. The small garden Augusto Gil (next to Graça church) was joined by the newly opened Cerca da Graça garden as outdoor recreation areas in the neighbourhood. The latter can be reached by entrance gates at Calçada do Monte or at Caracol da Graça.

Additional info about Graça (in Portuguese):

https://pt-pt.facebook.com/pages/Bairro-da-gra%C3%A7a/527753597234663

Graça_2014_01.jpg

   Jardim Augusto Gil

Graça_p02.jpg

   Bairro Estrela d'Ouro

Graça_2014_02.jpg

   Vila Sousa 

 Graça_2014_05.jpg

   Rua da Graça

Graça_2014_06.jpg

   Travessa das Mónicas

Graça_2014_07.jpg

   Vila Berta

Graça_2014_04.jpg

   Bairro Estrela d'Ouro

Portuguese stuff (1)

Port stuff_01.jpg

   (English text below)

 

Quem conhece bem a cidade e a tem acompanhado ao longo dos anos tem constatado certamente a crescente pressão turística que Lisboa está a viver. Vista por uns como uma ameaça e por outros como uma oportunidade, é evidente para todos a explosão do número de turistas e da oferta de serviços por toda a cidade. Desde hostels que se multiplicam como cogumelos, aos irritantes 'tuk-tuk' e derivados ou às inúmeras lojas de ‘souvenirs’ e produtos artesanais, tudo para servir os desejos de consumo duma forma de turismo mais globalizado que chega agora a Lisboa atraída pelos encantos genuínos da cidade, a hospitalidade dos habitantes e os preços baixos, apregoados por campanhas de marketing e guias turísticos. Resta saber se o tal encanto genuíno da cidade e se o comércio local e os habitantes dos seus bairros mais populares irão sobreviver à pressão do negócio e do lucro rápido ou às intervenções uniformizadoras e higienizadoras, que ameaçam descaracterizar a cidade e transformá-la num novo Algarve ou num parque temático.

Nesta secção (cuja designação deixei propositadamente em inglês) publicarei algumas fotos alusivas.

Para aceder a discussões mais extensas sobre este assunto ver por exemplo:

http://www.publico.pt/portugal/noticia/a-turistificacao-de-lisboa-e-porto-ainda-pode-crescer-1668034

http://www.esquerda.net/artigo/turismo-de-massas-e-gentrificacao-assustam-moradores-de-lisboa/37215

http://www.publico.pt/local/noticia/lisboetas-sentemse-cada-vez-mais-acossados-pelos-turistas-1697332

http://www.bloomberg.com/news/articles/2015-08-13/we-live-here-irate-lisbon-dwellers-remind-city-in-tourist-boom (em inglês)

 

Those who have known the city over the years have certainly noticed the increasing pressure of tourism that Lisbon is enduring. Seen by some as a threat and by others as an opportunity, the steep rise in the number of tourists and in the supply of services throughout the city is obvious to everyone. From hostels that pop up like mushrooms, to the annoying tuk-tuk and derivatives and the numerous shops of 'souvenirs' and craft products, all is there to serve the consumerist desires of a more globalized form of tourism, which now arrives in Lisbon attracted by the genuine charms of the city, the hospitality of its inhabitants and affordable prices, touted by marketing campaigns and tour guides. The question is whether that same genuine charm, along with local businesses and residents of the more popular districts, will survive the pressure of business and quick profit and of standardizing or sanitising interventions that threaten to disfigure the city and turn it into a new Algarve or a theme park.

I will publish under this heading some of my own photos related to this topic.

You may find additional discussions at the following links (one in English and the others in Portuguese):

http://www.bloomberg.com/news/articles/2015-08-13/we-live-here-irate-lisbon-dwellers-remind-city-in-tourist-boom

http://www.publico.pt/portugal/noticia/a-turistificacao-de-lisboa-e-porto-ainda-pode-crescer-1668034

http://www.esquerda.net/artigo/turismo-de-massas-e-gentrificacao-assustam-moradores-de-lisboa/37215

http://www.publico.pt/local/noticia/lisboetas-sentemse-cada-vez-mais-acossados-pelos-turistas-1697332

Chiado_2015_ps01.jpg 

   Chiado

 Baixa_2015_ps01.jpg

    Baixa

BAlto_2014_ps01.jpg

    Bairro Alto

 Baixa_2015_ps03.jpg

    Baixa

Baixa_2015_ps02.jpg

    

 BAlto_2015_ps01.jpg

    Bairro Alto

Sobre este blog

Este blog tem como pretexto a partilha do meu olhar, das minhas indagações e das minhas cogitações sobre o que a cidade vai sendo; nele publicarei as fotos que fui/vou captando e divulgarei as opiniões e notícias sobre Lisboa que achar relevantes. Servirá ainda para divulgar passeios acompanhados que disponibilizo para quem se quiser deixar levar pela cidade e arredores. Post de abertura

About this blog

This blog is a means for sharing my own vision of Lisbon (my home town but a place I’m still discovering) and to convey my own views or the opinions of others on how the city is evolving; here you will find some of the photos I’ve taken over the years, as well as news and views on a variety of local issues. I will also provide info on personalised tours for small groups who are willing to be taken around the city and surrounding areas. Opening post

Passeios/Tours:

Mais info sobre passeios / Info on tours: Post Tours #1

Mapas de Lisboa/Lisbon Maps

Centro/City center Oeste/West

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub